Publicidade

Posts com a Tag despedida

sábado, 12 de fevereiro de 2011 vídeos | 13:56

Arrivederci

Compartilhe: Twitter

A dificuldade de atualização vinha sendo tão grande que até o arriverderci demorou. Na verdade, porque demorou, também, tomar a dura decisão de largar o blog e achar um bom substituto para dar continuidade a estes cinco anos de Bola na Bota.

Apesar da demora, o substituto já está no ar: é o blog Tripletta, tocado por seu capitano Braitner Moreira, cujo trabalho eu só conheci justamente por causa do Bola na Bota. Quando, aliás, o blog ainda navegava em outros oceanos.

Então é isso. Sem grandes despedidas, até porque a gente nunca sabe o que vem pela frente, este derradeiro post serve apenas para encaminhar os fieis seguidores do Bola na Bota ao Tripletta, que certamente vai atender com mais agilidade e conteúdo os desejos de quem curte o futebol italiano e seus bastidores.

“Il meglio deve ancora venire (O melhor ainda está por vir)”, como diz a ótima música no vídeo abaixo, do célebre interista Luciano Ligabue, figurinha sempre presente por aqui.

Ok, eu sei, talvez um vídeo só com lances da Inter não fosse ideal para uma despedida genérica. Mas, convenhamos, nestes cinco anos de blog, foram cinco títulos nacionais, um europeu e um Mundial do time de Milão. Nada mais justo, portanto…

Ah, e qualquer coisa tô no twitter, no bom e já velho @gianoddi!

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 26 de maio de 2009 azzurra, campeonato italiano, imprensa, milan, roma, vídeos | 07:03

Leonardo x Maldini. O que houve?

Compartilhe: Twitter

Primeiro, até para contextualizar a polêmica entre Leonardo e Maldini, reproduzo abaixo minha coluna desta terça-feira no jornal Placar, sobre o episódio das vaias na despedida do capitão do Milan.

Idiotice globalizada

“Surreal”, “vergonha”, “bizarrice”. Aqui na Itália, foram estas as palavras que a imprensa usou para definir o jogo Milan 2 x 3 Roma, no domingo. Nele, o capitão milanista Paolo Maldini, um cara amado em todo o país, despediu-se da torcida do Milan. A torcida do time cuja camisa — a única de clube que usou como profissional — ele veste desde 1985 e com a qual ganhou 3 Mundiais, 5 Liga dos Campeões e 7 Italianos.

A torcida de verdade fez sua parte: encheu o estádio e levou faixas e bandeiras para homenagear Maldini, que, apesar da derrota, foi aplaudido por mais de 80% do público. Mas aqui, como aí, existem as organizadas, que organizam sua idiotice de forma globalizada. Assim, coube a eles a parte bizarra e vergonhosa da partida: insatisfeitos com declarações recentes de Maldini, segundo as quais certas críticas da torcida teriam motivações políticas e pessoais (o que, aliás, parece regra nessas instituições), eles protestaram.

Levaram uma faixa com o formato da camisa de Franco Baresi, capitão do Milan antes de Maldini, e cantaram o coro “Há somente um capitão”. Maldini, ovacionado pelo resto do San Siro, aplaudiu ironicamente. E desabafou: “Tenho orgulho de não ser como eles”.

Tem razão. Se fosse igual, e tivesse as mesmas motivações, ele certamente não teria jogado a vida toda por um só clube.

***

Agora, a polêmica Maldini x Leonardo. Que embora divulgada com estardalhaço pela imprensa italiana nos últimos dois dias, têm sido curiosamente ignorada pela Gazzetta Dello Sport — no fim das contas, a ” “principal fonte” das notícias do calcio que chegam ao Brasil.

Ao fim do jogo, Leonardo, hoje dirigente do Milan, foi abraçar Maldini como faziam todos. O capitão, porém, não quis saber de papo e afastou o brasileiro com um (nem tão) discreto empurrão.

Leonardo é o nome mais cotado para assumir o comando do time depois da iminente saída de Ancelotti (e se a Globo deu antes que toda a imprensa italiana é porque alguma fonte ligada a Leonardo, ou o próprio, deve ter passado a informação).

Hoje, especula-se muito, aqui na Itália, sobre os motivos que teriam levado Maldini a empurrar Leonardo. E há quem diga que o pessoal da velha-guarda, como o capitão, não gostou da forma como o brasileiro conduziu o processo dessa provável saída de Ancelotti (para a sua entrada). A novela promete capítulos para os próximos dias. E aí eu coloco aqui.

Veja o episódio no vídeo abaixo. Aos 5’08’’, Leonardo, de costas na imagem, começa a se aproximar de Maldini; aos 5’13’’, o italiano se recusa a cumprimentá-lo e o empurra. O ângulo desse vídeo, o único disponível no YouTube, não é dos melhores. Mas vi a imagem na TV italiana e a reação de Maldini, garanto, não deixa dúvidas (abaixo do vídeo, reproduzo reportagem do Corriere dello Sport, que publicou as telas capturadas da transmissão da Sky, que tinha melhor ângulo) .

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 16 de maio de 2008 campeonato italiano, milan, Sem categoria | 12:35

cafu e serginho: adeus ao milan

Compartilhe: Twitter


Cafu e Serginho (com Ronaldo e Emerson no meio) deixarão o Milan:
jogo contra a Udinese, no domingo, deve ter homenagem aos dois

Em entrevista ao Milan Channel, capitão do penta anuncia que volta ao Brasil; lateral-esquerdo diz que sua carreira “chegou ao fim”

* Atualizada às 13h12

SÃO PAULO – O lateral-direito Cafu, 37 anos, e o lateral-esquerdo Serginho, 36, ambos do Milan, anunciaram nesta sexta-feira que deixarão a equipe italiana no final da temporada. O último jogo dos dois será neste domingo, contra a Udinese, no estádio San Siro. Os anúncios foram feitos em entrevistas ao Milan Channel, o canal de televisão do clube.

“É triste, é duro, mas sabia que mais cedo ou mais tarde chegaria a hora de voltar para casa, de retornar ao Brasil”, afirmou o capitão do pentacampeonato mundial da seleção brasileira em 2002.

“Não sei o que farei quando chegar ao Brasil. Domingo será meu último jogo. Não sei se jogarei, mas estarei pronto para este importante último compromisso, que não será meu jogo de adeus, mas um jogo importante para o Milan”, afirmou, referindo-se à chance de o time conquistar uma vaga na Liga dos Campeões na partida de domingo. “Depois, continuarei torcendo pelo Milan”, completou.

“Há cinco anos escolhi o Milan porque sabia que aqui poderia demonstrar tudo que havia aprendido na minha carreira de jogador. Vivi cinco anos maravilhosos nos quais consegui conquistar tudo. Guardarei para sempre uma lembrança inesquecível”, disse ainda o lateral-direito.

Serginho, ao contrário de Cafu, não disse se quer voltar ao Brasil, mas anunciou que não deve mais jogar: “Depois do problema que tive nas costas, há dois anos, não consegui mais voltar ao meu nível máximo, por isso acho que chegou o momento de deixar o clube. Vim ao Milan para cumprir uma missão. Hoje ela está completa e, com muita serenidade, devo aceitar que minha carreira chegou ao fim”.

“Passei aqui nove anos excepcionais e devo agradecer ao clube e aos torcedores pelo fantástico ambiente. No Milan consegui encontrar um pedaço de Brasil na Itália, foi estupendo”, afirmou.

Jogando pelo Milan, Cafu conquistou um Campeonato Italiano (2004), uma Supercopa da Itália (2004), duas Supercopas da Uefa (2003 e 2007), uma Liga dos Campeões (2007) e um Mundial de Clubes da Fifa (2007). Serginho, além desses títulos, também ganhou pela equipe uma Copa da Itália (2003) e uma Liga dos Campeões (2003).

PS: Como fiz a nota para publicação no iG Esportes, não citei a referência que Cafu fez à Roma, mesmo se despedindo do Milan (o interesse é, digamos, muito “específico”). Mas, conhecendo os leitores romanistas deste blog, sei que mais cedo ou mais tarde alguém o fará nos comentários abaixo. Certo?

Autor: Tags: , ,